Para você que também sente no Corpo as dores do mundo

Como manter-se aberta, sensível, em um mundo que toma o corpo de meninas de 10 anos? Mais do que isso, por quê? Por que não se fechar, não se esconder?


Essa semana eu revivi em algumas horas uma jornada desde o não aceitar minha própria sensibilidade, julgá-la exagerada, invasiva, até o lembrar e aceitar que esse corpo atravessável, que vive, que incorpora tempos e espaços, é quem eu sou. Eu já havia vivido essa jornada antes, não durante horas, mas durante anos, o que me fez caminhar por essa sombra com fé - sabendo que estava caminhando sobre uma das histórias que compõem a minha personalidade.


Mesmo assim, foi intenso e surpreendente, como é a vida - e nesse vídeo eu conto um pouco do que aprendi, nesses últimos dias, sobre ser um corpo atravessado e sobre ser, nesse corpo, poeta.



Posts recentes

Ver tudo

Bipolaridade, corpo e criatividade

Depois de recusar escrever um livro, uma crise bipolar desmoronou tudo dentro de mim. Tive que fazer uma das escolhas mais difíceis da minha vida. Tive que assumir uma jornada que, até então, me di