Desabafo: para uma mulher é possível ser artista sem duvidar disso?

Terça minha dificuldade de me ver como artista se abriu como um portal diante de mim.


Acho que foi a combinação de ter chego no afiado curso que estou fazendo (A história é outra, da imaginadora de mundos Daniele Queiroz) com o corpo ainda aberto de ter dado a primeira aula do 99% inspiração, curso que estou oferecendo.


A Daniele falava dos homens que enviam seus trabalhos para concursos e curadorias e de como mulheres não fazem o mesmo, o que torna ainda mais importante que nos encontremos entre mulheres não para debater conceitos, mas para falar do que estamos produzindo.


Ela falando e uma janela se abrindo, e tudo que vou contar a seguir acontece em 1s, entre uma palavra e outra, um susto: me vem o “insight” de marcar com mulheres artistas um encontro em que a gente finge se dar a mesma autoimportância (nem parei para pensar se essa palavra faz sentido, na hora ela foi o portal) que um homem artista normalmente se dá, eu finjo por 1s, vislumbro como seria o me dar essa autoimportância e é um lugar tão distante da forma como me enxergo naquele momento que eu choro. Como uma criança.


Esse vídeo é um desabafo e uma tentativa de elaborar esse atravessamento.



Beijos,


Posts recentes

Ver tudo

Bipolaridade, corpo e criatividade

Depois de recusar escrever um livro, uma crise bipolar desmoronou tudo dentro de mim. Tive que fazer uma das escolhas mais difíceis da minha vida. Tive que assumir uma jornada que, até então, me di