Experimentos de censura íntima

Estreio no projeto Os dias e as noites, que partilha diários pessoais desde março de 2020, com a série experimentos de censura íntima.


Quando a Moema Vilela me convidou para participar, quis criar uma maneira de ao mesmo tempo mostrar e não mostrar uma página do meu diário. Mostrar porque entendo a força da intimidade. Não mostrar porque minha experiência com diários é radical, portanto radicalmente íntima, muito além do que quero compartilhar sem a mecânica da ficção, que é justamente isso: uma arte do mostrar e esconder.


(Tenho a impressão de que o problema da intimidade não é expor, mas não ser entendida, já que os diários são escritos para um leitor mitológico, conhecedor dos meus mistérios e dos meus vícios de linguagem - mas isso fica para uma outra reflexão).


Para ficcionalizar os diários, mas ao mesmo tempo entregar algo que fosse verdadeiro, honesto em sua materialidade, com palavras nascidas para a verdade, surgiu a ideia de "censurar" meus próprios diários, criando um outro texto a partir do que sobrevive ao rabisco.


O desafio: dizer algo do que estava ali. Sem dizer tudo, dizer mais ainda.


Nessa primeira série, fiz três variações sobre a mesma página, a entrada do dia 12 de junho de 2020, escolhida ao acaso. A série completa você pode conferir aqui.



Mais sobre o projeto (texto encontrado no site)

Um diário é um lugar para contar histórias – a sua história, a minha. A história mais íntima de cada pessoa. Um espaço para inventariar as miudezas do dia, um refúgio para a expressão mais autêntica. O diário é também um registro histórico, que apoia a construção de um panorama coletivo do momento. Ler o diário de alguém pode proporcionar tanta companhia. Surpresa, maravilhamento, aprendizado. Não raro, apreendemos nos diários lidos uma grande diversidade de modos de ser e viver. Ao mesmo tempo, deparamo-nos também com o fato de que temos tanto em comum. Esta é uma página para a partilha de diários pessoais, escritos a partir de março de 2020.

Posts recentes

Ver tudo

Bipolaridade, corpo e criatividade

Depois de recusar escrever um livro, uma crise bipolar desmoronou tudo dentro de mim. Tive que fazer uma das escolhas mais difíceis da minha vida. Tive que assumir uma jornada que, até então, me di