as palavras não surgem no papel por “geração espontânea”, elas precisam ser jardinadas


Deixa eu te contar um princípio muito simples e poderoso (e ao mesmo tempo muito pouco difundido) sobre criatividade: para existir fora, precisa também existir dentro. Dito de outro jeito: as palavras que você escreve no papel também estão escritas em você.


Como as plantas de um jardim, as criações primeiro enraízam e depois brotam. Quando já têm algum corpo, elas expandem ao mesmo tempo para fora e para dentro, para cima e para baixo - criando assim estrutura interna para se expressarem no externo.



Imagina querer que uma planta fique em pé "no ar", sem colocar nenhuma parte dela dentro da terra!

Dá pra sentir essa diferença na prática quando a gente "se inspira" em alguma obra ou estrutura já existente para criar. Experimente fazer uma versão de um poema, por exemplo. Nesse processo, você "empresta" o enraizamento do poema - e a criação logo se prolifera, porque quanto mais enraizada ela for, mais potencial de crescimento ela tem.


Quando você cria a partir de um sonho acontece algo parecido: o sonho já está enraizado (no seu corpo, no seu inconsciente), então qualquer coisa que surja a partir dele pode utilizar essas mesmas raízes para criar fundamento e a partir daí crescer.


Uma coisa é fato: sem enraizar e crescer para dentro, não tem como sua criação crescer para fora. Então você fica olhando a folha em branco, irritada, impaciente, daí começam a surgir dores no corpo e muito sofrimento. Até que você finalmente aprende a jardinar suas ideias, ao invés de apenas esperar por elas e - uau! - as coisas começam a fluir.



Você vai se surpreender quando perceber pela primeira vez, no seu corpo, que no fundo você já sabia de tudo isso.

Quero te convidar a lembrar muito mais em uma incursão psicoarqueológica pela sua paisagem interna, lá onde nascem os seus sonhos, lá onde vão brotar suas histórias mais selvagens, sua voz profunda, sua poesia,


uma oficina-ritual gratuita, do dia 1 ao dia 7/12. em breve trago mais detalhes, por enquanto ofereço: a empolgação, o frio na barriga, a certeza de que você vai se arrepiar


não pelo que eu vou te trazer, mas pelo que você vai aprender a buscar - dentro de você.




para aceitar esse convite, o link está aqui. e se quiser enraizá-lo ainda mais dentro de você: compartilhe com alguém, semeie por onde sentir.