Aprenda na prática a arte mágica da escrita selvagem e inspirada - e costure sua próxima criação a partir da combinação de escrita livre, corpo e sonhos.

CADERNO
COMO JARDIM ✹

do corpo à obra
Um caminho de aprendizado de escrita e criação como arte mágica.

Para quem tem medo, mas não quer parar de saltar. Pelo contrário: quer saltar de cada vez mais alto.

Para quem quer estrutura, mas sem abrir mão da poesia.

Para quem quer criar de corpo e alma, com singularidade e selvageria.
2020-12-29.png

prazer, meu nome é

V1 - VERDE_4x.png

principais obras

Desesterro (2015)
Meu corpo ainda quente (2020)

prêmios e distinções

sou praticante de escrita e de outras artes oraculares. Estudo e vivo a conexão caderno, corpo e sonho, investigando a alquimia da palavra e a relação entre corpo e criação. Foi assim que encontrei prazer e criatividade na selvageria do meu corpo e na fúria da minha bipolaridade.

Seleção Forbes Under 30, PEN Translate Awards, Prêmio Machado de Assis da Biblioteca Nacional, Prêmio Jabuti, Prêmio Sesc de Literatura, duas vezes finalista do Prêmio São Paulo de Literatura, Rumos Itaú Cultural (2018, 2016), além de concursos de dramaturgia do SESI e do Sesc, Proac Criação Literária, entre outros.

Mestrado em Teoria Literária (Unicamp) e bacharel em Estudos Literários (idem).

Há pessoas que fazem o caminho do concreto, e para elas basta sentar e escrever. O Caderno como jardim ✹ do corpo à obra foi pensado para quem quer a vida além da vida, a poesia, a selvageria. Pessoas assim naturalmente misturam questões internas profundas e questões práticas, como a escrita de uma tese (com prazos!), um livro urgente ou um curso que não pode mais esperar. No Caderno, isso não é um problema, mas uma potência, uma arte mágica que você pode sim aprender a dominar.

você vai aprender:
como começar e não apenas começar?
como trabalhar com as forças e não contra elas?
como finalizar alimentando o seu fluxo, sem nunca mais precisar "começar do zero"?

a maneira como você começa pode mudar tudo, por isso vou te ensinar

como dar partida em um projeto criativo se aproveitando das forças de início, ao invés de já começar - mesmo que sem querer - lutando contra elas (o que pode gerar muita raiva);

em qual momento de um projeto você pode começar outro, de modo que eles se alimentem e não se prejudiquem;

identificar quando você realmente "começou", e não só juntou um monte de ideias (ou nem juntou);

sair do "apenas começar" e avançar no processo de materialização da sua criação.

manter o movimento (ou o fluxo) criativo é um dos grandes desafios, especialmente se você, como a maioria de nós, tem outros compromissos além da sua criação. por isso vou te ensinar

os bloqueios e desbloqueios de cada etapa da criação;

os diferentes tipos de pausa; os diferentes tipos de movimento; 

além de te dar ferramentas para trabalhar com a força específica de cada momento, e não contra ela;

e te indicar práticas específicas para se alinhar com a etapa.


 

o fim de um processo pode alimentar o começo de um outro, mas não, não é simplesmente "não parando". também não é só parar.

vou te ensinar como aproveitar o movimento anterior sem sacrificar sua nutrição e, assim, você não vai precisar mais "começar do zero", sabe essa sensação? então.

ao invés disso, você aprender a, de forma sustentável, aumentar a vazão do seu rio criativo, com um projeto alimentando o próximo e seu fluxo ficando cada vez mais poderoso e criativo.

 

Além dos workshops

FAÍSCA: workshop em que você aprende como ativar um projeto criativo no corpo e no sonho (e fazer um pacto com as forças da sua criação).

• FEITIÇO: workshop que te ensina a estruturar sua obra como um feitiço.

FLUXO: workshop em que você aprende como alimentar um ciclo criativo com outro e assim conquistar uma prática inspirada e sem esforço.
floresta no caderno.png

✹ depoimentos de quem já fez ✹

"Já consigo viver o meu ciclo (estou indo para a Primavera), entender o que acontece comigo, não enlouquecer e nem me achar uma louca. Além de muitas outras coisas. Não tem uma aula em que eu não pare o vídeo (infelizmente não consigo ver ao vivo) e anote tudo que acontece também comigo. Minha vida tem sido o que escrevo e o que faço quando não escrevo. Harmonia pura." • Sheila

você também levará os bônus

masterclass Escrever com os sonhos ✹ aprenda como lembrar sonhos, como ter sonhos lúcidos, como anotar sonhos para depois conseguir usar na escrita, como escrever a partir dos sonhos anotados, etc.
oficina de artes mágicas da escrita selvagem e inspirada ✹ para ajudar você que está começando a escrever ou já está bloqueada há algum tempo.

✹ mais relatos de quem fez ✹

✹ trechos dos videos ✹

Teresa Dantas ✹ depoimento
Buscar vídeo...
Teresa Dantas ✹ depoimento
02:56
Reproduzir vídeo
Joana ✹ depoimento
02:59
Reproduzir vídeo
Ana Emília ✹ depoimento
01:19
Reproduzir vídeo
Fernanda Cotelessa ✹ depoimento
01:27
Reproduzir vídeo

​'

Teresa Dantas, escritora e jornalista  

"Finalmente encontrei o arco narrativo desse romance entalado. Já tem um ponto de partida, um ponto de chegada, tem um corpinho. Tem muito trabalho a ser feito, mas ele já saiu o invisível, já existe de alguma forma. (...) Consegui criar uma rotina diária de escrita e criação que me mantém conectada com esse meu desejo de criar e me mantém ligada à essa escritora na qual eu quero me transformar". 
Ana Emília, doutoranda em filosofia  

"Com o método 99% inspiração, Sheyla, eu entendi que dava pra viver uma vida como eu sempre quis, desde que eu era adolescente e vi Sociedade dos Poetas Mortos pela primeira vez. (...) É possível sim ter uma vida plena e criativa (...). Eu procurei a Sheyla porque eu precisava escrever uma tese em filosofia. A minha escrita não é uma escrita de ficção, é uma escrita acadêmica. Mas também, ao longo do processo, eu fui entendo cada vez mais que a escrita acadêmica também é uma escrita criativa. Então, também é um processo de criação escrever uma tese na academia".
Joana Ludwig, ilustradora 

"Cheguei a ler aquele livro O Caminho do Artista, fazia as páginas diárias mas era super maçante, muito chato, parecia que demorava muito pra chegar nas três páginas, então a primeira coisa que já foi incrível foi uma dica que a Sheyla deu sobre o que escrever, como escrever. (...) Foi a partir daí que começaram a surgir pequenos contos. Foi incrível entender melhor esse ciclo criativo, as fases e perceber onde estava o meu bloqueio. Saber exatamente o que estava pegando ali e como lidar com isso mudou totalmente,